Demo
  • Home
  • Pressionado, governo acena com uma nova edição do Refis

Pressionado, governo acena com uma nova edição do Refis


Pressionado por empresários e parlamentares para abrir um novo programa de parcelamento das dívidas de empresas com a União, o Palácio do Planalto deu sinal favorável ao Congresso Nacional e, de acordo com parlamentares e empresários, deverá encaminhar a medida dentro das iniciativas em estudo para a retomada do crescimento econômico e do emprego.

Parte do governo tem simpatia pela proposta, por entender que a medida ajudaria a tirar as empresas da situação de crise financeira que estão e ainda ajudaria a reforçar a arrecadação no ano que vem. O Planalto, no entanto, ainda avalia se o clima político é favorável a essa iniciativa, que, como é tradicional, também encontra forte resistência da Receita Federal. Para o Fisco, o programa estimula a inadimplência e, a longo prazo, deteriora a capacidade de arrecadação do governo.

Além de definir se vai mesmo bancar a proposta, o Executivo avalia se seria o caso de encaminhar um projeto próprio ou se daria aval ao projeto relatado pelo deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR). A hipótese de uma medida provisória (MP), única possibilidade em que o Refis já vigoraria em 2016, também está na mesa.

Apesar da resistência da Receita Federal, o presidente Michel Temer teria demonstrado simpatia pela proposta a interlocutores. Líderes partidários e empresariais têm levado a ele o argumento de que o país só sairá da crise com ajuda do governo às empresas, que estão em péssimas condições financeiras após três anos de recessão, crédito contraído, juros elevados e pouca perspectiva de crescimento em 2017.

A pressão cresceu em meio à "fritura" do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, criticado por investir em reformas de longo prazo, como o novo regime fiscal e a reforma da Previdência, cujo efeito direto na economia demora a aparecer. Meirelles, aliás, disse ontem que o governo ainda não tem decisão sobre um possível novo Refis.

De certa forma, o governo Temer já abriu um Refis, ao permitir o parcelamento de dívidas das micro e pequenas empresas que estão no Simples por 120 meses, para evitar que fossem excluídas do regime tributário em janeiro. Mas a iniciativa, sancionada por Temer em outubro, deixou de fora as médias e grandes empresas.

Ainda não há informações sobre quais seriam as regras do programa e a Receita ainda não está participando das discussões, segundo apurou o Valor. O projeto relatado por Kaefer, que na verdade é uma proposta para autorizar a venda da dívida ativa da União, Estados e municípios, permitiria o parcelamento dos débitos federais em 240 parcelas, com redução de 90% nos juros e multas, sem necessidade de pagar um valor maior da dívida no ato de adesão.

Em reunião com os líderes partidários, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu para Kaefer aguardar dois dias até o governo se definir. Para Maia, o Refis é um dos itens que justificariam convocação do Congresso em janeiro, antecipando a volta aos trabalhos. "As empresas estão em situação pré-falimentar. Vale a pena a autoconvocação para organizar a situação das empresas com o Fisco, por exemplo", afirmou.

O projeto encontra apoio no Congresso. "Não dá para imaginar que as empresas vão sair da crise com um endividamento desses. Vão acabar quebrando e fechando empregos", disse o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR). "Em função da necessidade de arrecadação e preservação das empresas e dos empregos, o Refis é o caminho natural", afirmou o deputado Laércio Oliveira (SD-SE). 

 

Fonte: Valor Econômico

Magrini Advogados

Excelência em Advocacia

Award 2013

Atendimento Personalizado

Atendimento personalizado para cada cliente

Award 2011

Profissionais Especializados

Temos Equipe de Profissionais de Excelência

Award 2013

Atualização Constante

Atualização constante da Equipe Profissional para melhor Atendê-lo

Award 2011

Experiência Comprovada

Temos Experiência de Anos no Mercado

 


Copyright © 2014 - 2016 Magrini Advocacia Empresarial.